Os critérios de classificação internacional para pérolas são:

TAMANHO

O tamanho das pérolas é medido pelo seu diâmetro. As menores têm 8 mm de diâmetro, a média se situa entre 11 e 12 mm, e as maiores que 12 mm são mais raras e representam uma parte ínfima da colheita.

FORMA

As 5 principais formas das Pérolas South Sea e do Tahiti  são:

•    Redonda: Esfera quase perfeita, apresentando uma variação no diâmetro de no máximo 2%. São as pérolas mais raras e mais caras.

•    Semi-Redonda: Pérola esférica, apresentando uma variação no diâmetro entre 2 e 5%. São as pérolas que, quando montadas em jóias, parecem Redondas, mas por causa dessa variação alcançam menor preço quando vendidas como avulsas.

•    Semi-Barroca: Pérola em forma de gota, de pêra, de botão ou oval. O diâmetro tem uma variação de mais de 5%, mas apresentam, apesar de tudo, um eixo de simetria, e são frequentemente utilizadas para pingentes ou brincos.

•    Barroca: Pérola sem forma definida (irregular), que não apresenta nenhum eixo de simetria e que não se insere em nenhuma das categorias anteriores.

•    Anelada ou Circular: Pérola com um ou vários círculos concêntricos.

BRILHO/LUSTRE

A luminosidade ou lustre/brilho corresponde ao reflexo da luz sobre a superfície da pérola. Ela depende da regularidade, da espessura e da disposição das camadas perolíferas. Um belíssimo lustre corresponde a um reflexo total da luz, produzindo um efeito de espelho. Uma pérola sem lustre terá um aspecto opaco.

COR

As cores das Pérolas do Tahiti variam do branco ao negro, com diversos tons de cinza, verde, azul, lilás etc. As cores das Pérolas South Sea variam do branco ao dourado. Os principais fatores que influenciam nas cores das pérolas cultivadas são: a Natureza (na alimentação da ostra com o plâncton encontrado na lagoa), a própria ostra hospedeira e o conhecimento do enxertador. A cor não é um critério de qualidade e cada pessoa irá escolhê-la de acordo com seu gosto e preferência.

QUALIDADE DA SUPERFÍCIE

Avalia-se o critério de qualidade da superfície das pérolas conforme a combinação de duas características físicas: o estado da superfície e a luminosidade ou lustre. A qualidade é avaliada a olho nu.

O estado da superfície se caracteriza pela presença ou ausência de imperfeições, tais como: furos, arranhões, estrias, trincados, sulcos, depressões, depósitos orgânicos, amassados, inchaços, excrescências ou manchas leitosas de despigmentação.

A codificação da qualidade da superfície das Pérolas do Tahiti se apresenta da seguinte maneira:

•    Top Gem: Pérola que não contém imperfeições. Lustre excelente.

   Categoria A: Pérola que apresenta no máximo uma imperfeição ou grupo de imperfeições leves, concentradas no máximo sobre 10% da sua superfície. Lustre belíssimo.

•    Categoria B: Pérola que apresenta algumas imperfeições leves, concentradas no máximo sobre 30% da sua superfície. Lustre belo ou médio.

•    Categoria C: Pérola que apresenta imperfeições leves, concentradas no máximo sobre 60% da sua superfície. Lustre médio.

•    Categoria D: Pérolas que apresentam imperfeições leves sobre mais de 60% da sua superfície ou imperfeições profundas. Lustre fraco.